quinta-feira, julho 10, 2008

GREVE DOS CORREIOS CONTINUA, MAS CONTAS QUE NÃO CHEGAREM DEVEM SER PAGAS

Crédito da foto: www.sidneyrezende.com/.../c/o/correios468.jpg
Mais de 70 ilhões de cartas e encomendas deixaram de ser entregues aos destinatários devido à paralisação dos funcionários da ECT (Empresa de Correios e Telégrafos), que completa hoje dez dias. Segundo os Correios, 21 Estados e o Distrito Federal aderiram à greve. Estão fora do movimento Amapá, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul, Roraima e Tocantins.

O TST (Tribunal Superior do Trabalho determina que pelo menos 50% dos empregados trabalhem. No entanto, das mais de 7 mil agências em todo o país, 398 delas não cumprem essa determinação, enquanto nas demais, somente 35% dos funcionários estão de braços cruzados. No caso do descumprimento da lei, o TST prevê que a Fentect (Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares) pague multa de R$30 mil por dia.

As reivindicação da categoria é, segundo a Fentect, que se cumpra integralmente um acordo firmado em novembro de 2007. Esse acordo prevê participação nos lucros da empresa, negociação do plano de carreira etc. Entretanto, os Correios afirmam ter cumprido o compromisso e avisam que vão cortar o ponto dos funcionários grevistas.

Com relação às contas que não chegaram aos seus destinos por motivo da greve, não há como o consumidor escapar. De acordo com a coordenadora do Procon Municipal, Stael Riani, ele deve procurar o estabelecimento para tentar negociar outra maneira de pagar a sua conta. No caso da Cemig e Copasa, por exemplo, existem vários postos de atendimento ao cliente em Belo Horizonte e cidades do interior. O consumidor poderá ainda optar por imprimir suas contas pela Internet.

O ministro das comunicaççoes, Hélio Costa, se mostrou contra a greve por entender que os Correios estão cumprindo o acordo feito anteriormente. "Não precisa ir à greve. Greve a gente só usa em última instância, e infelizmente a greve nos Correios foi a primeira instância. Ao invés de discutir até o último momento, preferiu-se fazer uma greve que prejudica o país", lamentou o ministro.

2 comentários:

Fernanda disse...

Oi, sou sua colega de equipe no Blog da Comunicação!rs

Poxa...euestava memso ouvidno sobre greve, greve, greve e apesar de ler muito jornal, não "ligava o nome à pessoa", é pq meu estado, MS, está fora da paralisação...

Mas ainda sim, os efeitos são sentidos por aqui, já que encomendas, cartas enviadas para os estados 'parados' não estão sendoentregues no prazo previsto!

Situação parecida com a parada do Speedy lá em SP, né? A internet em São Paulo pára...metade do país sente e, se os Correios param, nem se fala!!!

http://compulsaoporpalavras.blogspot.com

Gui disse...

As cartas podem atrasar, mas o pagamento não. Esse é o Brasil...abraços,
Guilherme